PUBLICIDADE

Topo

Flávia Durante

Gordos vão botar o corpo na rua. Conheça alguns blocos plus size

Flávia Durante

18/02/2019 05h00

Carnaval é tempo de pegação, muito beijo na boca, corpos livres e nus. Mas não para todos. Em tempos de culto à virilha sarada na avenida, o corpo gordo, – seja o feminino ou o masculino-, dificilmente é lembrado como destaque entre os mais belos ou mais desejados nos quatro dias de folia. Mesmo em uma época em que as regras são subvertidas e em espaços que se dizem diversos, ainda é difícil a sociedade quebrar os padrões de rejeição a esses corpos. Corpos que, como quaisquer outros, só querem se dançar, beijar e se divertir.

Leia mais: Conheça musas GG que arrasam no Carnaval 

A alagoana Alice Jardim, fotógrafa e videomaker, sempre foi apaixonada pelo Carnaval. Frequentadora dos blocos de Olinda/PE, por lá várias vezes se sentia deslocada e ouvia comentários bem grosseiros sobre seu corpo. E quando algum rapaz dizia que gostaria de beijá-la, o lance nunca acontecia: ela havia desenvolvido um mecanismo de defesa para nunca acreditar que aquele pedido fosse verdadeiro. Achava sempre que era tiração de onda.

Foi o que aconteceu com a publicitária paulista Luciana M., em Salvador, onde passou o Carnaval por quatro anos. Após ser beijada por um rapaz, ouviu o cara dizendo para os amigos que tinha "tirado a uruca", pois havia pegado uma gorda e agora poderia "pegar uma mulher bonita".

Com o amadurecimento, Alice e Luciana passaram a não ficar mais abaladas com esse tipo de coisa, afinal o "problema" nunca esteve nelas. Hoje elas curtem o Carnaval bem mais à vontade em São Paulo, se vestem do jeito que querem e respondem na lata os comentários desagradáveis. Luciana já montou um look pra cada dia de folia este ano, cada um com um biquíni menor do que o outro. Para Alice, "a prioridade é me divertir e o resto é consequência".

Alice Jardim. Foto: Arquivo pessoal

Nas escolas de samba, quando o império das saradonas começou a se sobressair nas avenidas, surgiram as alas de passistas plus size, numa espécie de contraponto. Hoje são raras as escolas que não tenham rainhas, madrinhas ou alas inteiramentes de passistas gordinhas.

Dóris Macedo é uma delas. A gaúcha é rainha de bateria da escola de samba Bambas da Orgia e Rainha do Carnaval do RS Plus Size. Em 2017, quando o diretor de Carnaval colocou seu vídeo do ensaio na página da escola no Facebook, ela sofreu cyberbullying.

A proporção de alcance do episódio foi tão grande que ela chegou a ir ao programa "Encontro com Fátima Bernardes", na Rede Globo. "Foi bem chato, mas a escola super me apoiou e acabei fazendo do limão, uma limonada", conta Dóris. "O assunto me deu uma enorme visibilidade e acabou impulsionando minha carreira e a causa do combate à gordofobia". Hoje ela também se destaca como ativista e é coordenadora do Fórum de Combate à Gordofobia no Rio Grande do Sul, que aconteceu essa semana em Porto Alegre.

Doris Macedo. Foto: Camila Rocha

Até em ambientes que teoricamente prezam pela diversidade, pessoas gordas constantemente passam por constrangimento ou rejeição. Vindo de Assis, interior de São Paulo, o professor de canto e cantor Vittu Lima não esquece de sua primeira experiência no Carnaval de São Paulo, em um bloco LGBT+.

"Percebi que no meu grupo só havia eu de gordo e a cada 15 passos todos os garotos do meu grupo davam beijos e eu ali parado como um Dois de Paus", conta Vittu. "Fiquei com calor, resolvi abrir minha camisa e percebi um grupo de meninos gays, todos malhados, rindo e apontando o celular para mim (claramente tirando fotos). O bloco foi seguindo, meus amigos magros 'passando o rodo' e eu com aquele sorriso amarelo".

Vittu Lima. Foto: Mastangelox

Tantas situações desagradáveis em uma cidade completamente nova acabaram desencadeando uma crise de ansiedade em Vittu em pleno Carnaval. "Eu também tenho desejo, também quero beijar e tirar a camisa", desabafa. Hoje, um ano depois, e já mais ambientado a São Paulo, ele pretende ir a blocos nos quais a diversidade seja de fato praticada e se cercar de amor e alegria.

Para levar mais diversidade de corpos para as ruas neste Carnaval, iniciativas têm surgido em várias partes do Brasil. Conheça algumas delas, coloque sua cropped ou body cavadão e junte-se a eles:

Instagram: @roledepeso. Foto: Izabella Carvalho

. Rolê de Peso
Depois de passar por algumas situações de gordofobia no final de 2018, o redator Marcelo Gomes criou o Rolê de Peso, que vai acontecer dia 23 de fevereiro no Pré-Carnaval de Belo Horizonte. A ideia é acolher todo mundo e mostrar que padrões não existem.

PluSamba. Foto: Divulgação

. Projeto PluSamba
O Plusamba quer incluir mulheres gordas nas escolas de samba através da dança, oficinas e debates fortalecendo assim sua autoestima. O projeto que começou como ala virou bloco que desfila dia 9 de março, às 14h, na altura do número 7.000 da Avenida Engenheiro Caetano Álvares, na Zona Norte de São Paulo.

Baile das Gordas. Reprodução: Instagram

. Baile das Gordas
Referência em militância gorda, Salvador traz a segunda edição do bloco que percorre o Circuito Barra-Ondina! O objetivo é evidenciar a diversidade de corpos e mostrar a importância da representatividade em todos os segmentos e espaços coletivos. A saída acontece dia 23 de fevereiro, sábado, e o ponto de encontro é nas Gordinhas de Ondina.

Foto: @delphinadesigns

. Pop Plus Carnaval
Edição especial da feira plus size que acontece em São Paulo vai reunir 27 marcas de moda Carnaval, moda praia e de acessórios para pessoas que vestem do 44 ao 66. O evento vai contar também com DJs, apresentações de dança, além de oficinas de samba no pé, customizações e de maquiagem.

@joycaroll. Foto: @pretocolore

. Carnaval Plus Size
A fanpage divulga não só passistas como também musicistas, grupos, alas e eventos que envolvem o mundo do samba e do Carnaval.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Flávia Durante tem 41 anos e é comunicadora, DJ e empresária nascida em São Paulo e criada em Santos. Desde 2012 produz a Pop Plus, feira de moda e cultura plus size, com média de público de 10 mil pessoas por evento. Ao longo destes 6 anos tem desmistificado conceitos e conselhos que mulheres (e homens também) vem ouvindo há décadas sobre os padrões da moda.

Sobre o blog

Um espaço para falar de mercado e moda plus size, beleza, acessibilidade, bem estar e autoestima.

Blog da Flávia Durante